Decorações e tradições eclesiásticas... verdades absolutas ou demência social?

Se com esta frase não for crucificado em pelourinho público concerteza escaparei por entre "os pingos da chuva". :-)

Este é dos pensamentos que sempre me assolaram desde que me lembro como pessoa: deveremos todos acreditar e participar sem questionar em todas as tradições eclesiásticas que nos colocam à frente dos olhos ou pelo contrário se as questionarmos estaremos a fazer um suicídio social em hasta pública?

As imagens que vemos proliferadas por todas as igrejas serão apenas imagens criadas na mente da população como algo divino que as protege das vicissitudes da vida ou terão algum fundamento de verdade? Terão elas "poderes" psíquicos ou são apenas pedaços de uma substância moldável bem pintados e sujeitos a uma agressiva campanha de marketing com muitos séculos?

E as tradições (festas, procissões, leilões, etc.) baseadas nessas imagens? Que fundamento de verdade terão para se assumirem como tal? Serão meras manipulações e analgésicos sociais para mentes não dispostas a questionar o fundamento da sua existência?

Mais uma vez vos solicito que disponham a vossa delicada opinião, com a certeza que poderá incinerar a ira alheia. :-) Espero que não... mas se for esse o caso... que a luz ilumine o caminho das verdades que forem consideradas.

Comentários

Teresa Coutinho disse…
Falar de religião, é sempre um caso polémico. Cada pessoa tem a sua maneira de ver as coisas, mas existem aqueles que aceitam os dogmas impostos e os outros que os questionam. É certo que para aceitar dognas temos de saber porque e como existem, talvez seja essa a carência da maioria das pessoas.
Anónimo disse…
Por amor da santa... quem ousa falar assim está a beira da excumunhão.
Não se pode ousar falar da Santa Madre Igreja, pois a verdade que ela nos transmite é inquestionável. Com a igreja cada pessoa não tem a sua maneira de ver as coisas, as coisas são assim, ponto. Eu para não aceitar dogmas não preciso saber porque é que eles existem, alguns farejo à distância, e a maior parte deles são santos ocm pés de barro, que só existem pela vaidade e poder dos homens.
As atrocidades que já foram feitas em nome da fé, as manipulações, as omissões, as mentiras propaladas vezes sem conta.
Não entendo as mulheres, como podem aderir a uma religião que as rebaixa e as relega para segundo plano, tendo essa religião por base um homem que não o fez, muito pelo contrário.
Como podem não ser as mulheres ordenadas sacerdotizas, se ao longo de séculos o foram.
A base das religiões Judaico-indo-europeias, estão bem patenteadas no livro cidade antiga, talvez se o lessem e fizessem a comparação... não davam um ar de "louras".
Sim porque isto de ter fé, e impingir a fé aos outros, repugnando-os e matando-os, não é um peditório que eu alguma vez queira dar.
POR ISSO GRAÇAS A DEUS SOU ATEU... E ANÓNIMO