"Muletas" do português...

Outra das coisas que me tiram muito do sério são as palavras que a grande parte dos portugueses adoptaram como iniciantes de conversa:

  • "É assim"...;
  • "De modos que"...;
  • "Tipo"...;
  • "Tá-se"...;
  • "Bué"...;
  • "Brutal"...;
  • "Ganda cena"...;
  • E outras pérolas parecidas.
Na preguiça classicamente portuguesa de menosprezar a sua própria linguagem, os habitantes deste "cantinho" munem-se das expressões mais hediondas que a nossa linguagem possui, para desmembrarem a comunicação verbal e irritarem o mais comum dos mortais com todas estas expressões pseudo-linguísticas.
Quero eu dizer em português mais corrente, que "essa malta" parece que faz de propósito para nos arreliar e por já não terem mais nada para dizer, quando já nada têm para fazer. É como um passatempo, uma ocupação sem sentido, uma passagem parasita por esta sociedade e um menor esforço de brio pessoal no modo de se expressarem.
Gostava de pedir a toda a gente que me lê e que sofre deste mal, para tentar corrigir estas falhas, pois são feias, não se ajustam a qualquer tipo de discurso, seja ele formal ou informal e ainda impressionam as pessoas pela negativa.
Obrigado e comentem por favor.

Comentários

Teresa Coutinho disse…
pois é. Estas expressões por serem tão comuns para certas pessoas, tornam-se o verdadeiro léxico para elas (que não sabem falar de outra maneira) e mais grave ainda, influênciam de alguma maneira quem as ouve.
A indecisa disse…
Prontos...ehehe (esqueceste-te desta.)
Acrescento a forma de escrita, que começou nos meios virtuais para agora também ser efectuada via sms (será virtual este meio de escrita?)
Nem sabes o quanto me custa corresponder-me com alguém que escreve com K's.
É horrivel.... mas qualquer dia (como o bué e outros) está no dicionário!!!
Eu não critico quem escreve assim ou mesmo quem fala utilizando essas pseudo-palavras que descreveste atrás, sou um pouco anarquista... mas não gosto de ouvir/ler.
Adorei os livros do Alçada Baptista e custou-me muito ler "a gente" em vez de "nós", os livros dele são todos assim. Adoro-os mas sempre que pego num fico triste, no entanto quando falo com outras pessoas sobre isso eles dizem que a palavra existe e como tal é usada.
Nós somos a vida que vivemos, se essas palavras existiram nela, continuarão a existir sem contudo sermos considerados incultos ou analfabetos ou outra coisa qualquer.
Por alguma razão se formam amizades, grupos etc... porque há algo em comum!
Em suma, tanta tralha para dizer... cada um é como cada qual e embora não gostemos, temos que aceitar e não minimizar esses que são diferentes de nós, porque eles são!!!