Originalidades carnavalescas...

Sesimbra...
Frio...
Chuva...
Preparativos para o desfile de carnaval...
Gente desnudada enfrentando um ambiente nada propício a uma festividade de exteriores...
Analogia ao carnaval no Brasil = tudo...
Originalidade carnavalesca da pátria portuguesa = 0.

Dou início a esta a crónica deste modo porque acho, depois de olhar para tudo o que vejo perante os meus olhos, a simulação de um ambiente de carnaval brasileiro, num sítio onde o calor não abunda nesta época do ano, é coisa para doidos, senão mesmo gente insana com um grau de inteligência colectiva abaixo do normal.

Sem querer ofender ninguém em particular, sinto que este tipo de festividade não nos pertence de todo, seja pelas pessoas envolvidas, seja pelas fantasias elaboradas, seja seja música ouvida, algo não está bem em todo este filme: este não é o nosso tipo de carnaval e pergunto-me porque importámos um tipo de festa que é dolorosa ao olhar e dolorosa à participação dos foliões. Porque acredito que será difícil para aquela gente sair semi-nua com todo este frio e humidade, afim de desfilar à frente de um horda sedenta de um "verão" fora de época, só para observar os corpos enregelados de umas meninas bem torneadas que sofrem para gáudio e deleite da assistência.

E no meio disto tudo, onde está a alma portuguesa original do carnaval lusitano? Em lado nenhum, pois já desapareceu há muitos anos, engolido por uma aculturação abrasileirada da questão, onde toda a gente, aparentemente, deixou de se preocupar com estas questões puritanistas e se deixou envolver pela facilidade do som repetitivo da farra inspirada nas terras de Vera Cruz.

Mesmo analisando essas farras, o carnaval mais original do Brasil nem sequer se encontra no Rio mas sim no estado de Pernambuco onde, por obra da originalidade e da tradição, não entra o samba mas sim o frevo, outro tipo de música e dança tipicamente nordestina mas com mais alma e entrega por parte da multidão.

E eu pergunto-me: se mesmo dentro do próprio Brasil existe um mundo de diferenças porquê aqui adoptar-se algo que não é originariamente nosso e tentar enfiá-lo nos nossos cérebros como se fosse algo bom para a nossa cultura como europeus.

Comentem esta minha idéia e se for preciso cubram-me de confetis no caso de não gostarem destas minhas idéias rocambolescas:-)

Comentários

victor ribeiro disse…
Estou plenamente de acordo, e creio que todos esses comportamentos que relevam numa aculturaçao brasileira,pondo de lado as tradiçoes portuguesasé até a lingua portuguesa,passando a utilizar termos de importados dos brasilleiros,que por sua vvez foram importados do ingles[nao me refiro a termos tecnicos,mas a palavras ]e que culmina na aberraçao do acordo ortografiico. Todas estaas manifestaçoes estao relacinadas com a decadencia que Portugal atravvessa, dada a falta de orgulho e de estima por
nós proprios.Por isso o país está em dedeliquesciencia
progressiva
HomerJ disse…
Obrigado Victor pelo simpático comentário.

Queria acrescentar que recentemente comecei a ler jornais que já aderiram ao novo acordo ortográfico e não me revejo de todo nas palavras escritas no novo formato.

Portugal realmente está a perder a sua alma e a entregar-se a quem deveria subjugar-se a nós como povo e nação original e não o inverso.

Muitos nos novos habitantes deste país nem se preocupam em verificar a nossa tão rica linguagem e dão por correcta a aculturação forçada de que somos alvo continuamente.

Puristas da linguagem como nós têm os dias contados, mas irei ao "fundo" erguendo bem alto o estandarte da língua portuguesa que aprendi e à qual devotei tanto tempo da minha vida.

Não me subjugo a acordos escuros entre países que não se preocupam em falar o português correcto e onde, ainda por cima, muitos dos seus habitantes estão, tal como nós, contra estes acordos feitos nas "altas esferas" da nação.
victor ribeiro disse…
Nao acho q os outros se devam subjugar a nós, nós é q nao devemos perder a nossa identidade como povo com os nossos costumes e caracteristicas proprias, q infeliizmente somos os primeiros a nao considerar e a espezinhar,sob tantos aspectos ,entre outros a falta de correcçao como se utiliza a lingua,(vocabulario,gramatica e ortografia].A
lingua como se fala e escreve em PORTUGAL,deve ser o modelo a seguir por todos q a utilizem