Direito de interferência...

Ramin Mehmanparast, secretário de imprensa do Ministério das Relações Exteriores do Irão, advertiu em Dezembro de 2012, os países ocidentais contra a ingerência na guerra civil na Síria.

Discursando na Turquia, Ramin Mehmanparast disse que, se os países ocidentais tencionassem interferir no conflito sírio, as consequências negativas desse passo afectariam muitos dos outros países. Segundo ele, é precisamente isto que têm em vista os que dizem que uma suposta invasão da Síria provocará uma Terceira Guerra Mundial. Mehmanparast declarou que os países ocidentais não têm direito de interferir nos assuntos dos países do Médio Oriente.

Esta notícia não é nova mas foi uma notícia que me causou bastante impacto devido ao tipo de efeito sobejamente conhecido e espalhado por anos e anos de conflitos permanentes. Esta foi uma chama que provocou uma explosão de perguntas no meu cérebro e de todas elas sobressaiu uma: que direito temos nós de interferir seja no que for nas sociedades que não seguem os mesmos moldes de vida da dita "sociedade ocidental"?

Esta é uma questão que aos olhos do comum dos cidadão não suscita dúvidas e por isso a maior parte das pessoas dirão sem pensar: porque nós temos melhores condições, somos mais civilizados e melhores leis para suportar e respeitar a vida no geral. Bom por este prisma já não existiriam conflitos de espécie alguma na nossa sociedade e seríamos totalmente felizes e prósperos... o que todos nós sabemos ser uma fabulosa mentira. Então porque nos assumimos como uma sociedade cujas premissas todos os outros povos do mundo deverão seguir sem as questionar? Pois não sei...

No entanto sei que estamos errados em muitos dos nossos pressupostos de vida: a ganância, o capitalismo desenfreado, o F.M.I., a excessiva dependência de combustíveis fósseis, a religião em que assenta a nossa sociedade, a corrupção a todos os níveis, o favorecimento de ricos em detrimento de pobres, o desequilíbrio social permanente, os baixos salários, os conflitos sociais, etc. Assuntos profusamente documentados pelos media e do conhecimento de todos.

Tendo portanto uma sociedade tão pouco dada a moralismos, em que directrizes assenta a força da palavra quando a erguemos para defender atrocidades que sabemos serem cometidas diariamente nessas áreas do globo? Por sermos melhores que eles? Por teremos um rol de leis exemplares? Por termos uma força de guerra com maior capacidade? Por sermos simplesmente melhores que eles? Não me parece que seja por aí que tenhamos de ir para explicar a nossa constante mania de intervir nas sociedades que achamos serem "bárbaras" ou mesmo desequilibradas. Se essas sociedades têm leis próprias e se são soberanas, os cidadãos que nascem ou assumem as nacionalidades dessas nações ou áreas do globo têm de assumir todas as vantagens e desvantagens que essa sorte ou azar lhes permitiu ter.

Se não se identificarem com essas leis e procedimentos podem sempre tentar emigrar para outros países ou sociedades mas isso já é da sua própria vontade e não por influência de uma sociedade alienígena na área. Têm de ser as pessoas a escolher o seu próprio caminho e a vontade de cada um a prevalecer nessas sociedades mais "restrictivas" e coloco a palavra entre parêntesis porque nós do mundo ocidental também temos imensas leis e procedimentos que acho restrictivas(os) que certamente não irão agradar aos emigrantes que acolhemos regularmente.

Digam-me o que pensam deste assunto e se concordam com o meu raciocínio. Se forem contra vamos discutir o assunto abertamente.

Comentários