Julgamento de vida...

A única coisa que me sobra na vida é a honra. Não tenho dinheiro nem sequer bens materiais. Nada do que usufruo é realmente meu. Pertenço à paz. Chego aos locais por mérito, não o faço nas costas de ninguém. Não viro as costas a quem necessita do meu apoio. Não deixo ninguém para trás. Tento sempre salvar e ajudar o melhor que sei.

Luto todos os dias o triplo dos outros porque não fui abençoado com nenhum dom ou qualidade especial. Tudo faço por carolice e todo o conhecimento adquirido é devido a muitas horas de trabalho auto-didacta. Tento ser o mais humilde possível. Sou imperfeito. Sou um "geek", mas tenho muito coração.

Penso muito com esse coração que de tão ideológico se abrutaliza por vezes. Impulsividade não me falta, mas quando erro, se mo provarem, peço desculpa sem qualquer desvio de olhar ou hesitação. Que me desculpem os perfeitos ou os apontadores de dedos. Não me julguem na minha demanda de vida e de sobrevivência pois pisar-me é o mesmo que pisar um prego bem afiado e cheio de ferrugem.

O pretensiosismo de alguém achar que o seu caminho de vida é o único que deve ser percorrido ou o único exemplo de como percorrer uma vida, pense duas vezes... existem muitos caminhos de vida... tantos quantas pessoas existem neste planeta. Não vamos interferir no caminho dessas vidas a não ser que prejudiquem claramente a vida de outros pares neste percurso de sobrevivência contemporânea.

Sinto-me melancólico e desolado. Não me sinto bem. Estou desconfortável e a prazo. A estabilidade e alegria do passado diluíram-se nos problemas da vida que já não me pertence. Por isso melancólico e desolado estou... alguém que me salve...

Comentários

Joana Cardoso disse…
Salvar não sei se consigo, mas podemos ajudar-nos os dois mutuamente... ;)