Europa insegura...

Em linha com o trágico destino do pequeno Aylan e restante família, numa praia da Turquia, estão as ameaças vindas da Líbia, onde o Estado Islâmico empurra cada vez mais pessoas para a costa do Mediterrâneo com diversos intuitos. Um deles é, claramente, embeber os seus combatentes nos grupos que tentam chegar à Europa para formar e desenvolver células terroristas e de conquista pelo método "cavalo de tróia".

Este método tão famoso na actual terminologia informática e que foi usado pelos guerreiros helénicos para invadir a antiga cidade de Tróia na actual Turquia (História da Grécia), será o método utilizado pelo Estado Islâmico para fazer implodir a "democracia" europeia pelo lado de dentro e conquistar o tão famoso "califado" que eles pretendem implementar até ao ano de 2020. Nesse "califado" irão incluir vastas áreas doa actuais países que formam a União Europeia, apropriando-se de um território que sempre acreditaram ser islamita desde que foi de lá escorraçado pela Reconquista Cristã.

Quero acreditar que tudo isto pode e deverá ser mentira mas na realidade é uma verdade muito incomodativa para tantos os líderes europeus como para os habitantes desta área geográfica. A ânsia com que todos estes migrantes querem chegar ao espaço europeu, faz notar que existe muito mais interesses que apenas a vontade de conseguir uma melhor condição económica para si e para a sua família. Estas pessoas são empurradas como escudos humanos para albergar o tal enorme "Cavalo de Tróia".

Conflitos, destruição, sangue, lágrimas e caos, aguardam a Europa quando os guerrilheiros do Estado Islâmico começarem as suas actividades dentro da União Europeia. Território este que é tão odiado por esses "representantes da ordem divina islamita" como desejado desde tempos imemoráveis. Iremos tornar-nos aquilo que não desejamos ser: um povo cheio de medo e sempre a olhar por cima do ombro. Seremos perseguidos pela religião que se pratica na maioria na Europa e também pela falta de religião assumida. Seremos perseguidos pelas liberdades e garantias que a Constituição Europeia define para os seus habitantes.

Estas pessoas que nos chegam diariamente em barcos desprovidos de qualquer meio de segurança e largados no Mar Mediterrâneo sem motor ou orientação com a esperança de serem trazidos até nós pelos ventos e marés, trazem também a destruição em que as suas vidas foram baseadas. Não possuem estudos (a maior parte deles) e com isso sentem-se frustrados pela falta de oportunidades e de igualdade perante os povos deste lado do Mediterrâneo. A frustração gera violência que entretanto gera vinganças e que entretanto gera ódio generalizado pela cultura e modo de vida europeu.

Outra dúvida que me assalta é a quem interessa mais toda esta vaga de migrantes que diariamente são colocados na água? Sabemos que estão a ser empurrados mas quem directamente lucra com tudo isto? Também sabemos que a maioria destas pessoas não possui dinheiro suficiente para pagar entre €10.000,00 e €20.000,00 para ser incluído num daqueles "barcos" sem condições. Sabemos que os habitantes da Eritreia (de onde são originários a maior parte dos migrantes) possui um P.I.B. per capita de apenas $500,00 anuais. Então de onde vem o financiamento para todos os migrantes se dirigirem de repente (até há pouco tempo era tudo feito a "conta-gotas") para o território europeu?

Existem teorias que fazem todo o sentido pelo momento que vêmos atravessar. Essas teorias relatam uma Nova Ordem Mundial que tem origem nos Estados Unidos que perderam protagonismo quando a União Europeia iniciou a sua agregação de nações para se fortalecer contra os interesses americanos no mundo. Há quem diga que esta Europa tem de ser destruída e pavimentada por povos que não fazem parte da sua génese, de modo a que possam desbaratar as culturas reinantes no Velho Mundo. Dessa limpeza, ficaria apenas uma classe obediente ao poder económico americano que assim voltaria a reinar de forma oligárquica e sem resistência.

A ser verdade, tudo isto me parece de uma perversão sem igual, mas também no passado as perversões destruiram povos e territórios inteiros e talvez fosse apenas uma questão de tempo até que algo igual ou parecido voltasse para nos assombrar a existência. Tivemos demasiado tempo de paz na Europa (cujo último conflito foi a Guerra dos Balcãs) e o ego belicista das potências mundiais estão em níveis perigosamente altos e que mais tarde ou mais cedo, desencadearão outro conflito a nível global para que se baixe o nível da população mundial através de um cataclismo não-natural.

A Europa como poder político, económico e cultural tem de ser destruída através do caos e ficar sem identidade nacional para que outras forças superiores possam reinar e converter estes territórios em anexos geo-políticos de grande senhor da guerra, o "Uncle Sam". Esta é uma das teorias do geo-político Thomas Barnett e cujas primeiras fases se estão a cristalizar com todos estes fluxos migratórios sem igual no nosso tempo.

Os media não nos contam a verdade dos acontecimentos. Não nos ajudam a pensar. Só nos mostram imagens chocantes e imagens seleccionadas para nos obrigar a direccionar a nossa mente para algo perverso e constrangedor: a morte de crianças neste conflito. Por trás dessas imagens movem-se as tais forças do poder e nas sombras vão dominando o mundo que já não é nosso (se é que alguma vez foi).


Quais as vossas opiniões sobre este assunto? Serei uma mente assolada por visões de futurologia infundada ou serei alguém que "cheira" o ar e nota que algo está diferente e mais perigoso? É o nosso modo de vida que está em jogo. É o futuro dos nossos filhos que é jogado nesta "roleta-russa" constante. Vamos defender-nos conforme nos é permitido mas quando já não nos for permitida a defesa legal e as nossas vidas estiverem em jogo, defenderei a minha família como se fosse a última ao cimo da Terra.

Comentários

Joana Cardoso disse…
Pois... É isto...Alguém me falou num livro escrito por uma pessoa conhecida que já falava nestes planos para o futuro da França, quando se ouviu falar nos primeiros problemas em França... Pena já não me lembrar quem me falou nisso e qual era o livro ou o autor... O que é certo é que sim, tudo isto parece fazer parte de um grande plano, extremamente bem orquestrado, dessas mentes perversas, como foi o 11 de Setembro...
Quanto ao financiamento, concordo que venha de algum lado, mas acredito mais que parta de outras grandes potências (Rússia, Coreia do Norte, China, ou os países ricos árabes) do que dos EUA...
Mas são só opiniões, que eu não percebo nada de política...
Mas concordo que corremos perigo!! Muito perigo!!! :'(