Não à sesta...

Uma destas noites em vez de dormir, pensei em muitas coisas como sempre, mas no meio dessas coisas todas que pensei, uma delas sobressaiu das demais: dormir à tarde, depois do almoço, parece um conceito muito agradável. Mas, como sempre, não tenho um pensamento linear e inicio o processo de raciocínios laterais que vão destruíndo ou, pelo menos, dinamitando, o pensamento central.

Desta vez comecei a tentar desconstruir o benefício que teria a famosa sesta, tanto para o corpo como para o cérebro humanos. Ao mesmo tempo que imagino os seus benefícios também os delimito (quem dorme durante o dia, não dorme durante a noite). Existem processos no corpo humano (para não entrar muito em questões mais técnicas) que se activam com a chegada do ocaso do sol. Dormir durante o dia baralha esses processos e desregular o "relógio biológico" interno, fazendo com que a mente fique mais alerta com a chegada da noite e o sono não apareça nas horas devidas.

Penso que esse adulterar do ciclo natural da vida diurna e do descanso nocturno, será nefasto para quem necessita de uma boa e retemperante pausa durante a noite. Alguns estudos indicam que a minha opinião está errada, no entanto, quando eu próprio durmo durante o dia, permaneço sem sono uma boa parte da noite e neste caso, os cientistas que fazem esses estudos erram redondamente. Nem sei onde eles conseguem os "espécimens" para fazer essas investigações mas comigo não teriam sorte nenhuma pois adulterava naturalmente os resultados produzidos.

Posso só dizer que não comer uma refeição farta e bem regada ao almoço e fazer diversas pausas para comer durante o dia de trabalho, propícia mais concentração no trabalho e maior rendimento em todos os processos a decorrer profissionalmente. Deixem-se de cochilos, sestas, desmaios de cansaço, etc do mesmo calibre e durmam bem e o tempo suficiente à noite para que tudo corra melhor durante o dia.

Os espanhóis do sul e do sudoeste, no entanto, têm uma desculpa para pararem e dormirem um bocado: o calor. Naquela zona da Europa, as temperaturas durante o Verão são tão altas que, literalmente, não se pode andar na rua e, nesse caso, justifica a alteração dos hábitos de vida, empurrando para uma parte da noite, toda a vida que deveria acontecer entre as 13 e as 17, lá para aquelas bandas. Eu próprio, que sou um fã de visitar terras de "nuestros hermanos", já tive experiências de arrepiar com o calor, chegando ao cúmulo de sentir derreter a sola de uns chinelos que levava calçados, em Cáceres.

Neste caso específico, o sono durante o dia justifica-se porque é um tempo morto e quase sem vivalma em certas terras mais pequenas no interior, mas de resto, nas grandes cidades ou pequenas vilas, já não justifica essa alteração por força dos ares condicionados dos centros comerciais e dos escritórios onde se sobrevive às vagas de calor anuais, como se nada se passasse.

Digam-me o que pensam sobre este assunto pois penso que em parte eu sou do contra apesar de existirem muitas pessoas que são a favor. Iluminemos melhor este assunto.

Comentários