Tortura infantil...

Este é um texto que encontrei perdido pelo Facebook. Não sei qual a sua autoria mas tocou-me particularmente no coração e, certamente, no meu futuro, se as orientações do Ministério da Educação não forem alteradas nos próximos anos. É um alerta para todos os pais e encarregados de educação de modo a estarem alertas e conscientes para o que as crianças estão a passar diariamente na escola, só porque o governo português decide sacrificar toda uma geração na tentativa de os tornar mais escravos do trabalho e da vida.

Leiam com atenção pois podem estar retratados nele... eu estarei com toda a certeza:

«Ainda não percebi bem o que querem de mim...
Nasci porque a minha mamã queria ser Mãe e o meu papá queria ser Pai...
Mas não pensaram se eu quereria ser o filho deles a tempo inteiro...
E eles, afinal, não tinham tempo para mim...
Mas fizeram-me nascer na mesma...
Agora sou bebé, passo 8 ou 9 horas por dia na creche, até que a minha mãe (quase sempre) ou o meu pai, me venham buscar...
Chego a casa cansado, bem como os meus pais; eles olham para mim, dizem blá-blá-blá, eu rio-me, eles também e depois metem-me na cama...
Ando assim 5 ou 6 anos...
Depois começo a frequentar a escola...
Entro logo de manhã, às vezes debaixo de chuva, vento e muito frio e estou dentro da escola, 6 ou 7 horas, até que a minha mãe (quase sempre) me venha buscar...
Em casa, faço os TPC's., com a ajuda possível dos meus pais, que estão cansados, frustrados, revoltados com o trabalho, cujos salários mal dão para vivermos com dignidade, até que chega a hora do jantar, feito pela minha mãe...
Depois olham para mim, com os olhos cansados, mas ainda com energia para dizerem blá-blá-blá...
Eu ainda me rio, eles também, lavo os dentes e vou para a cama...
Ando assim mais 4 anos...
Entro na escola secundária...
Tenho muitos professores e muitas disciplinas...
Fico lá 6 ou 7 horas, até tocar para a saída...
Nos primeiros tempos ainda espero pelo meu pai (é ele que tem o carro) e vou para a casa... 
Mas, alguns 3 ou 4 anos depois, já regresso sozinho...
Apanho os transportes públicos, cheios de adultos que até me pisam para entrarem primeiro do que eu, mostro o "passe" e chego a casa, cansado...
Beijo o meu pai, também cansado, beijo a minha mãe que está na cozinha, também fatigada e tento fazer os TPC's...
Por vezes adormeço e muitas vezes não consigo fazê-los... 
E então já sei que os professores vão escrever um "recado" ao meu pai...
E depois vou ser castigado... nesmo que esteja cansado...
No dia seguinte, o professor grita comigo e pergunta se os meus pais não têm tempo para me dar educação...
Eu não respondo, mas apetece-me...
Alguns dos meus colegas, respondem...
E os professores dizem que não são educadores...
Que os educadores deviam ser os pais...
Só que os professores estão comigo 7 horas por dia, se não faltarem às aulas... 
Os meus pais, estão comigo, talvez, 2 ou 3 horas por dia, o resto é para comer e dormir...
Fico a pensar, quem é que me poderá educar?
Acho que os adultos estão loucos!
Vou começar a fazer uma birra!
Talvez me olhem de outra maneira...
Acho que vou começar a fumar nas traseiras da escola...
Está lá a malta da turma...
Eles até não se importam de "partilhar aqueles cigarros que eles próprios fazem"... 
Eles dizem que aquilo é um paraíso...
Talvez experimente...
Os professores não vão dizer nada porque não são meus educadores...
Os meus pais não vão dizer nada porque na escola ninguém tem obrigação de me vigiar e em casa os meus pais estão cansados e só estão comigo (acordados) 2 ou 3 horas...
Os adultos dizem que eu sou mal-educado mas não é verdade, eu não tenho mesmo nenhuma educação...
Porquê?
Porque os adultos não têm tempo!
********************************************

NOTA: Não tenho nada contra os Pais ou os Professores, mas tenho contra esta Sociedade desequilibrada!»


Autor desconhecido... o que é pena pois adoraria conversar mais sobre esta temática com alguém que pensa deste modo, conseguindo colocar-se ao nível de uma criança que sofre com a tortura diária que lhe é inflingida na escola.

Comentários